sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Entrevista Marcelo Moreira (Janeiro-2011)

Marcelo, você começou a tocar aos nove anos de idade. De onde veio a inspiração e a vontade de começar a tocar bateria ainda tão novo?

Isso é uma pergunta praticamente sem resposta. Até hoje não sei ao certo o que me motivou. Só lembro que dos 8 aos 9 anos de idade passei pedindo ao meu pai para tocar bateria. Eu sabia que queria ser baterista sem saber ao certo o que era um baterista. Meu pai tentou me colocar para estudar violão pois essa vontade de tocar bateria poderia ser só uma coisa de criança, que iria parar os estudos em pouco tempo. Mas não teve jeito. Fiz um mês de aula de violão e voltei a insistir com o meu pai que eu queria ser baterista. Até que comecei a estudar bateria e nunca mais parei. Lembro também de ter visto aos 8 anos o solo de bateria do Neil Peart no show do cd Exit Stage Left e isso ficou na minha memória. Inclusive a minha vontade de ter bateristas enormes vieram dessa época e também do show que assisti do Iron Maiden em Porto Alegre quando eu tinha 11 anos.


A vida de músico no Brasil é algo extremamente variável, alguma vez, você sentiu vontade de seguir um outro caminho em sua vida, ou a bateria se mostrou como o único? Quais as principais dificuldades em ser músico no Brasil?

Já cheguei a pensar em seguir outros caminhos e em alguns períodos até segui paralelamente a música. Mas quem é músico de verdade já nasce com isso e não consegue abandonar. É um vício. Se você fica um tempo longe dos palcos sente muita falta. Existem muitas dificuldades principalmente quando você procura trabalhar com música autoral. Mas como músico você pode trabalhar em diversas áreas. Desde aulas, produções, fazer shows e gravar como músico contratado e por aí vai. Muitas carreiras são difíceis, mas quando você faz o que realmente gosta você passa por cima de qualquer dificuldade.


Nos seus trabalhos, podemos notar que você é um músico versátil e virtuoso, qual a rotina de treinamentos e ensaios que você segue?

Não tenho rotinas. A minha prática vem do dia a dia. Dos ensaios com as bandas e dos shows. Nunca tive momentos apenas de estudo. Sei que isso não é o ideal, mas foi assim comigo. Muitos discos eu gravei apenas ouvindo as músicas na hora, criando e gravando. Sigo muito a intuição ao invés de ficar pensando como se fosse matemática.





No ano de 1996, o Burning In Hell lançou sua primeira demo, “Under My Dominate”, e em 1998, a segunda demo intitulada “World Of Illusion”, como foi a repercussão destes materiais e o que você se recorda das gravações?

Tenho grandes lembranças dessa época, pois tudo era mais difícil. Fazíamos um som difícil de tocar e entrávamos no estúdio com cerca de 20 horas para gravar 5 músicas e mixar. Não tinha edições e todos os recursos de hoje, então você tinha que estar bem preparado. Por isso também se ensaiava muito mais do que hoje em dia. Tivemos um destaque bem grande para a época lançando a segunda demo no formato de um CD split no Japão, numa época que os contatos ainda eram feitos, numa maioria, por cartas e era muito difícil se conseguir contatos importantes.


Quais as principais influências para a sonoridade da banda?

Todos da banda ouviam MUITO Iron Maiden e Helloween. Depois começamos a conhecer outras bandas de power metal como Blind Guardian e Stratovarius. Na época éramos viciados em conhecer bandas novas de heavy metal. Fazíamos muita pesquisa. Mas o que mais chamava a atenção de todos da banda eram as músicas mais rápidas dessas bandas e foi daí que pensamos em fazer só músicas rápidas. E estou falando de 95 muito antes de ter no mercado bandas com essa caractérista. E também procurávamos ser um pouco mais agressivos do que o metal melódico num geral.


O Burning Hell lançou seu debut, auto intitulado, em 2004, mas foi em 2006 com “Believe” que a banda ganhou o status de grande. A banda foi aclamada em diversas revistas nacionais e internacionais, figurando entre os 30 melhores álbuns de Metal Melódico pela consagrada revista Burrn! (revista japonesa). Como foi isso?

Ficamos muito felizes com o resultado dos discos. Isso foi o resultado de muito trabalho. Nunca imaginamos estar numa lista dessas como a da revista Burnn! que colocou nosso álbum numa lista com bandas como Hellween, Hammerfall, Angra, Gamma Ray, Edguy e por aí vai. Todas as bandas que éramos fãs. Não tem sensação melhor do que ver todo o seu esforço ser reconhecido por alguém.






Ainda sobre o Burning In Hell, a banda tocou com muitas bandas ao longo de sua carreira, grandes nomes como Angra, Shaaman, Hammerfall, Sonata Arctica, After Forever, entre outros. Qual o sentimento em torno de se poder trabalhar com estes artistas?

Foi sempre muito legal poder estar ao lado dos nossos ídolos. Por exemplo no show com o Hammerfall eles ficaram assistindo nosso show do palco. No final do show o baterista veio conversar comigo falando que quando começou a ouvir o som do nosso show ficou tão empolgado e foi ao palco. Após ver um pouco do show, voltou ao camarim e chamou o resto da banda pois tinha achado muito bom. Tanto que no CD Crimson Thunder eles nos citaram na lista de agradecimentos. São coisas assim que fazem você nunca querer abandonar a música.


Em alguma ocasião houve algum tipo de problema com as bandas ditas como “grandes”?

SEMPRE HÁ (risos). Mas prefiro deixar essas histórias no esquecimento, pois pessoas tentando derrubar as outras existem em todos os mercados de trabalho. Infelizmente existem pessoas assim. Assim como tem pessoas boas que ajudam os outros. Por exemplo, foi o Uli Kush (ex-Helloween, ex-Masterplan) que me indicou ao Epica após apenas me conhecer pela internet. Ele viu meus vídeos e ouviu minhas músicas e após saber que eu estava querendo tentar algo na Europa, mandou um e-mail para o Mark do Epica.






Um fato que impressiona nos trabalhos do Burning In Hell é a produção, incluindo aí o design gráfico. Como foi escolhida as artes de capa dos trabalhos e como é feito a produção em geral?

Em 97, Comecei a aprender computação gráfica para poder fazer trabalhos para a banda, pois não tínhamos dinheiro para contratar alguém. E sempre tem muita coisa que uma banda precisa e isso custa caro. Fiz a capa e todo o encarte do primeiro álbum do Burning in Hell e das demos. No segundo álbum chamei uma artista incrível chamada Isis Souza, mas sempre estive procurando dirigir o trabalho. Um CD começa a ser vendido pela capa.


Marcelo, como é tocar com músicos rápidos como Ederson Prado que é considerado o baixista mais rápido do mundo pelo Guinness World Records (Brasil)? Isso fez com que você tivesse que aumentar sua velocidade em alguns momentos?

Na verdade foi ao contrário. O Ederson que se adaptou a velocidade da banda. Nunca escrevemos músicas pensando em mostrar o quanto podemos ser rápidos. A gente compõe as músicas sem pensar em velocidade e sim em deixar as idéias na velocidade certa para soarem legais. Como gostamos de músicas rápidas as nossas idéias nascem assim. Mas todos na banda, inclusive o Ederson, sabem que a velocidade é apenas uma ferramenta e não o que faz uma música ser boa. A gente procura trabalhar bem todas as partes de harmonia, arranjos e tudo mais para ter uma música boa. As partes que necessitam ser rápidas, elas naturalmente são rápidas assim como tem diversas partes cadenciadas. Tem que saber misturar bem as diferentes partes para ter um disco bom de ouvir.


Voltando a sua carreira solo, qual a sensação de ter sido quase eleito para assumir as baquetas na banda Epica?

Essa experiência foi muito positiva. Passei 10 dias com o pessoal do Epica na Holanda. Fui o único não europeu que foi chamado para fazer a audição com a banda. Na época só não fiquei na banda, pois o baterista que estava deixando a banda, após um ano anunciando sua saída, resolveu ficar na banda após minha audição. Até hoje não sei ao certo o que aconteceu, mas enfim foi bem bacana ter o trabalho reconhecido por uma banda como o Epica.


Nesta ocasião você foi indicado pelo excepcional Uli Kusch (ex-Helloween, Masterplan e outras), como foi esse contato? Ele permanece ainda hoje?

Isso foi até mais legal que ter feito o teste (risos). Sou fã do Uli Kusch desde o primeiro trabalho dele com o Helloween. Assisti ele ao vivo em 97. Mandei um e-mail para uma banda que ele estava tocando na época falando sobre o meu trabalho e procurando bandas européias para tocar. Foi então que ele conferiu meu material e me respondeu falando coisas muito boas sobre meu trabalho como baterista e falando que iria me indicar ao Epica. Foi algo que eu nunca imaginaria ainda mais de uma pessoa que eu nunca tinha tido um contato. Nos falamos até hoje, e ainda pretendo trazer ele para o Brasil para fazer workshops.







Como surgiu o convite para tocar no Almah?

Após o meu teste no Epica voltei ao Brasil e fui convidado por Edu Falaschi para fazermos uma tour de workshops. Durante esses workshops o Edu pode conferir como eu estava tocando naquele momento e me convidou para entrar no Almah. Foi muito legal esse convite pois o Almah estava fazendo um som que eu achava bem bacana e o cd Fragile Equality saiu com uma pitada de cada membro que entrou na banda. Acho muito bom esse álbum. Estamos compondo um disco novo!!!


Marcelo, sua agenda de workshops é algo assustador. Como consegue conciliar o tempo com bandas e workshops?

Sempre dá tempo de fazer o que queremos. É tudo questão de organização. Eu corro muito atrás das coisas que eu gosto, então faço surgir sempre mais tempo e mais trabalhos. O meu trabalho é também o meu hobbie. Então não vejo problema em me dedicar o dia todo a isso.


Recentemente você visitou vários locais ao lado de Timo Tolkki (ex-guitarrista Stratovarius, Revolution Renaissance) como foi conviver com este ícone?

Foi muito gratificante. Eu era fã de Stratovarius desde 93. Poder ter convivido quase um mês com alguém que conhece tanto de heavy metal e de music business foi como um mestrado em um mês. Queria ter tido essa oportunidade quando estava começando a tocar, com certeza teria cortado caminhos. No início estava apreensivo, pois o que eu conhecia dele era o que aparecia na mídia. Mas o cara é o oposto do que escrevem. Me ensinou muito e demos risadas todos os dias.


Quais suas lembranças dos shows realizados no Rio de Janeiro?

Adorei ter tocado no Rio. Foi minha primeira vez também visitando a cidade. A galera estava empolgadassa e o Circo Voador é um local único para se tocar. Fui um dia antes ao show para poder curtir a cidade. Foram umas 16hs de churrasco e cerveja (risos).


Além de seus workshops, quais os seus projetos futuros?

Estou compondo o novo disco do Burning in Hell e do Almah, tenho gravações na Argentina e Grécia, estou compondo músicas para um novo projeto que logo estarei divulgando, produzindo algumas bandas e gravando alguns discos aqui no Brasil como baterista contratado.


Marcelo, para fechar deixe um recado aos nossos leitores e aos que querem se tornar como você em um mestre das baquetas.

Queria agradecer ao espaço e dizer que se você quiser ser músico e viver disso é preciso se dedicar o mesmo ou mais que você se dedicaria a outra carreira como de medicina, odontologia, engenharia... Não basta só querer as coisas, tem que se dedicar e correr atrás. Você fazer o que gosta deixa de ser um trabalho e sim uma diversão lucrativa. Seja ela a profissão que for. Continuem sempre curtindo heavy metal.

Um comentário:

Fernanda disse...

Adorei a entrevista! Parabéns!!!